Um rebanho:
Scott Hahn reflete
sobre o 16º domingo do tempo comum

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no google

Leitura do Livro do Profeta Jeremias 23,1-6

Ai dos pastores que deixam perder-se e dispersar-se o rebanho de minha pastagem, diz o Senhor!

Deste modo, isto diz o Senhor, Deus de Israel, aos pastores que apascentam o meu povo: Vós dispersastes o meu rebanho, e o afugentastes e não cuidastes dele; eis que irei verificar isso entre vós e castigar a malícia de vossas ações, diz o Senhor.

E eu reunirei o resto de minhas ovelhas de todos os países para onde foram expulsas, e as farei voltar a seus campos, e elas se reproduzirão e multiplicarão.

Suscitarei para elas novos pastores que as apascentem; não sofrerão mais o medo e a angústia, nenhuma delas se perderá, diz o Senhor.

Eis que virão dias, diz o Senhor, em que farei nascer um descendente de Davi; reinará como rei e será sábio, fará valer a justiça e a retidão na terra.

Naqueles dias, Judá será salvo e Israel viverá tranquilo; este é o nome com que o chamarão: ‘Senhor, nossa Justiça’”.

Palavra do Senhor.

Sl 22,1-3a.3b-4.5.6 (R. 1.6a)

R.O Senhor é o pastor que me conduz:
felicidade e todo bem hão de seguir-me!

O Senhor é o pastor que me conduz;*
não me falta coisa alguma.
Pelos prados e campinas verdejantes*
ele me leva a descansar.
Para as águas repousantes me encaminha,*
e restaura as minhas forças. R.

Ele me guia no caminho mais seguro,*
pela honra do seu nome.
Mesmo que eu passe pelo vale tenebroso,*
nenhum mal eu temerei;
estais comigo com bastão e com cajado;*
eles me dão a segurança! R.

Preparais à minha frente uma mesa,*
bem à vista do inimigo,
e com óleo vós ungis minha cabeça;*
o meu cálice transborda. R.

Felicidade e todo bem hão de seguir-me*
por toda a minha vida;
e na casa do Senhor, habitarei*
pelos tempos infinitos. R.

Leitura da Carta de São Paulo aos Efésios 2,13-18

Irmãos: Agora, em Jesus Cristo, vós, que outrora estáveis longe, vos tornastes próximos, pelo sangue de Cristo. Ele, de fato, é a nossa paz: do que era dividido, ele fez uma unidade. Em sua carne ele destruiu o muro de separação: a inimizade.

Ele aboliu a Lei com seus mandamentos e decretos. Ele quis, assim, a partir do judeu e do pagão, criar em si um só homem novo, estabelecendo a paz.

Quis reconciliá-los com Deus, ambos em um só corpo, por meio da cruz; assim ele destruiu em si mesmo a inimizade.

Ele veio anunciar a paz a vós, que estáveis longe, e a paz aos que estavam próximos. É graças a ele que uns e outros, em um só Espírito, temos acesso junto ao Pai.

Palavra do Senhor.

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos 6,30-34

Naquele tempo, os apóstolos reuniram-se com Jesus e contaram tudo o que haviam feito e ensinado.

Ele lhes disse: “Vinde sozinhos para um lugar deserto e descansai um pouco”. Havia, de fato, tanta gente chegando e saindo que não tinham tempo nem para comer.

Então foram sozinhos, de barco, para um lugar deserto e afastado. Muitos os viram partir e reconheceram que eram eles. Saindo de todas as cidades, correram a pé, e chegaram lá antes deles.

Ao desembarcar, Jesus viu uma numerosa multidão e teve compaixão, porque eram como ovelhas sem pastor. Começou, pois, a ensinar-lhes muitas coisas.

Palavra da Salvação.

À medida que os Doze retornam de sua primeira viagem missionária no Evangelho de hoje, nossas leituras continuam a refletir sobre a autoridade e missão da Igreja.

Jeremias diz na primeira leitura que os líderes de Israel, por meio da impiedade e de ensinos fantasiosos, desencaminharam e espalharam o povo de Deus. Ele promete que Deus enviará um pastor, um rei e filho de Davi, para reunir as ovelhas perdidas e designar novos pastores para elas (Ez 34, 23).

A multidão reunida na grama verde (Mc 6, 39) no Evangelho de hoje é o início do remanescente que Jeremias prometeu que seria trazido de volta ao prado de Israel. As pessoas parecem sentir que Jesus é o Senhor, o bom pastor (Jo 10, 11), o rei pelo qual estavam esperando (Os 3, 1-5).

Jesus fica com pena, vendo-os como ovelhas sem pastor. Essa frase foi usada por Moisés para descrever a necessidade de Israel de um pastor para sucedê-lo (Nm 27, 17). E assim como Moisés designou Josué, Jesus designou os Doze para continuar a pastorear Seu povo na Terra.

Jesus disse que havia outras ovelhas que não pertenciam ao redil de Israel, mas ouviriam Sua voz e se uniriam ao único rebanho do único pastor (Jo 10, 16).

No plano de Deus, a Igreja deve buscar primeiro as ovelhas perdidas da casa de Israel e então trazer todas as nações para o redil (At 13, 36; Rm 1, 16).

Paulo também, na epístola de hoje, vê a Igreja como uma nova criação, na qual aquelas nações que antes estavam longe de Deus são unidas como “uma nova pessoa” aos filhos de Israel.

Enquanto cantamos o Salmo de hoje, por meio da Igreja, o Senhor, nosso bom pastor, ainda conduz as pessoas aos pastos verdejantes do reino, às águas tranquilas do batismo; Ele ainda unge com o óleo da confirmação e espalha a mesa eucarística diante de todas as pessoas, enchendo suas taças até transbordar.

Por Scott Hahn (é o fundador e presidente do St. Paul Center e Professor de Teologia Bíblica e Nova Evangelização na Universidade Franciscana de Steubenville. Ele é o autor ou editor de mais de quarenta livros sobre Escritura e teologia..

Fonte: St. Paul Center

Você pode contribuir com a comunidade

ASSOCIAÇÃO MARIA AUXÍLIO DOS CRISTÃOS

Agência 0001 – Operação 013
Conta Corrente 17769042-7
CNPJ 30.110.931/0001-03

Comunidade Ignis
Até a morte luta pela verdade
e o Senhor Deus combaterá por ti

Evangelize compartilhando!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter