Publicado em Deixe um comentário

Desenvolvimento da Doutrina Católica – Os Apologistas

Santo Irineu de Lyon

Um século de luta

O segundo século foi dos mais difíceis. A Igreja, apenas nascente, encontrou a tremenda resistência do Império romano, sobrecarregada do combate dos intelectuais pagãos. Estes ou a desprezavam (Tácito chamou-a de “detestável superstição”) ou a atacavam (Celso, negando o Messias, procurava destruir os fundamentos do Cristianismo), ou a afastavam, valorizando a filosofia pagã (Marco Aurélio) e dando-lhe feição religiosa (neoplatonismo).

A reação

Os cristãos eram tão dispostos a morrer como a defender sua fé. Com os primeiros ataques, surgiram as primeiras defesas. E de maneira diferente, porque os políticos não encontravam resistência quando investiam à espada, mas os intelectuais iriam sucumbir aos golpes tremendos das armas invencíveis da verdade.

Os apologistas refutam acusações e revelam a beleza e a benemerência da doutrina de Cristo. Falam aos imperadores e aos filósofos, condenando nuns os processos de barbaria, noutros os erros e sofismas. Este combate intelectual não é menos belo do que a resistência ao ferro e ao fogo. Nele toma parte um grupo de cristãos ilustres, que honrariam qualquer literatura.

De alguns, como Quadrato, conservaram-se apenas fragmentos.

Porque não prestavam culto aos ídolos, eram os cristãos acusados de ateísmo; Aristides demonstra que eles é que fazem uma ideia justa da Divindade, enquanto o culto pagão é falso e imoral.

Contra a filosofia pagã lança Taciano os seus ataques, sem nela ver algo de bom, o que lhe valeu o titulo de “fundador da apologética virulenta”.

Já Atenágoras tomou a justa atitude de “expor diretamente a verdade a todos os que desejam conhecê-la e salvar-se”.

Justino, filósofo, em duas Apologias combate as calúnias assacadas aos cristãos (ateísmo, desonestidade e crueldade) e nos deixa preciosas informações sobre o culto católico.

Minúcio Félix, escrevendo com pureza e elegância, para atrair os espíritos mais cultos de Roma, fez do seu Otávio a “pérola da literatura apologética” (Renan).

A maior figura deste século é Santo Irineu, Bispo de Lião, tanto pelo seu tratado Contra as Heresias como pela atuação na Igreja.

Nova fase

O século terceiro apresenta outras condições à Igreja: as perseguições, embora violentas, são antes locais que gerais; longos períodos de paz favorecem aos estudos; mas também enfraquecem o espírito cristão; aparecem as crises internas, com as controvérsias, as heresias e os cismas, que, no entanto, dão lugar ao aprofundamento das verdades dogmáticas. É o século dos grandes apologistas e controversistas.

Escola de Alexandria

A escola catequética de Alexandria toma grande impulso com Clemente. Colocada
entre o orgulho da filosofia grega e a loucura gnóstica, firma-se em três pontos: a apologia do Cristo contra o paganismo, a exposição da vida cristã e o conhecimento profundo da sua doutrina.

Sua maior figura foi Orígenes (185-255). Apologista, exegeta, controversista, místico, professor, é o homem mais douto de seu século, e exerce uma influência enorme e be­néfica, sobretudo com a sua interpretação da Bíblia, que corrigia o grosseiro apego à letra. Cometeu contudo alguns erros, que foram depois condenados pela Igreja.

Os africanos

As florescentes cristandades da África dão quatro escritores: Arnóbio, que passa de adversário a apologista do Cristianismo; Lactâncio, o Cícero cristão, o historiador do Fim trágico dos perseguidores, o grande São Cipriano, Bispo de Cartago, onde desenvolveu um intenso trabalho pastoral, ao lado da admirável atividade intelectual ; e Tertuliano, o mais notável de todos os apologistas.

Convertido aos 30 anos, advogado, culto, defende com vigor o direito dos cristãos. É um argumentador lógico, que abala, quando não convence o adversário. Sua Apologética é a mais cabal das apologias e a mais célebre de suas numerosas obras. Eleva-se frequentemente a uma arrebatadora eloquência. Era de um temperamento lutador, mas apaixonado e orgulhoso. O apego às próprias ideias e a sua tendência ao rigorismo levaram-no à heresia montanista, em franca rebelião contra a Igreja, pois se convencera de que os cristãos espirituais (como ele) não dependiam da autoridade dos homens, mas diretamente do Espírito Santo.

Mons. Álvaro Negromonte,
Vitória sobre o erro, Livro História da Igreja

Publicado em Deixe um comentário

Desenvolvimento da Doutrina Católica – Início

Os doze apóstolos

A difusão da verdade cristã se fez em etapas diferentes, segundo as necessidades do momento. A idade apostólica revestiu um caráter catequético ; os apologistas caracterizam o segundo século ; os Santos Padres não apenas refutam os erros, mas sobretudo aprofundam a doutrina católica.

Os Apóstolos

A pregação foi primeiramente verbal segundo a ordem de Cristo: “Ide e pregai o Evangelho”. Dos Apóstolos somente Mateus, João, Pedro, Tiago e Judas nos deixaram escritos. A necessidade de comunicar-se com as cristandades longínquas trouxe os primeiros escritos, que foram as Epístolas, começando com S. Paulo (talvez em 49 ou 50) e terminando com S. João ( depois de 90 ).

Os Evangelhos chamados sinóticos, com narração simples dos fatos e discursos de Cristo, precederam ao de S. João, mais profundo e doutrinário. São Mateus foi o primeiro a escrever, em 50 aproximadamente, e em aramaico; os outros foram escritos em grego, sendo o de São João dos fins do primeiro século.

Padres Apostólicos

Os escritores eclesiásticos contemporâneos dos Apóstolos, seus discípulos diretos ou indiretos, deixaram-nos obras em geral muito simples, instruções e exortações aos bons costumes, explicações da Sagrada Escritura e resumo da doutrina cristã.

São Clemente de Roma, 4º Papa, discípulo de São Pedro, deixou uma carta aos coríntios, que é excelente atestado do primado do Papa. Outro discípulo do Príncipe dos Apóstolos, Santo Inácio de Antioquia, na sua viagem para Roma, onde foi martirizado, escreveu sete cartas a várias cristandades, advertindo-as contra as heresias; aconselhando a resistência e a unidade da fé, pedindo que rezem por ele que vai ser moído nos dentes dos leões como o trigo de Cristo. — O bispo de Esmirna, São Policarpo, discípulo de São João, foi a última testemunha apostólica.

De autor desconhecido, a Didaqué, de alto valor, é documento dos mais antigos da Igreja (ano 70 a 90). Vários outros escritos e escritores são de menor importância.

Símbolo dos Apóstolos

O mais importante documento da idade apostólica é o Símbolo dos Apóstolos. Querem uns que seja composto pelos Apóstolos antes de se separarem, a fim de manterem mais facilmente a unidade do ensino. Outros o atribuem a São Pedro e São Paulo, em Roma. O teor é, sem dúvida, de origem apostólica: doutrina simples, sem alusão às heresias, cristologia histórica, nenhuma especulação teológica, pensamento e linguagem do tempo apostólico.

Formulário dado aos catecúmenos, tornou-se logo um documento oficial da fé católica, expressão infalível do ensino da Igreja, de insuperável autoridade abaixo dos livros inspirados. O texto primitivo era mais simples que o atual.

Mons. Álvaro Negromonte,
Vitória sobre o erro, Livro História da Igreja

Publicado em Deixe um comentário

Fim do Paganismo

Ascenção de Roma

O Edito de Milão

Enquanto Diocleciano, dementado, era obrigado a abdicar (305) , Maximino e
Galério, seus comparsas, se extinguiam, aquele estrangulado no cárcere, este devorado de vermes. Proclamado imperador, Constantino marcha da Gália para Roma, a combater Maxêncio que pretendia o trono. Vira no céu uma cruz luminosa, com as palavras: In hoc signo vinces. Pô-las em seu estandarte, e com o
Lábarum erguido, vai de vitória em vitória. As margens do Tibre trava o combate decisivo. Quando na fuga o exército inimigo atravessava a ponte Mílvio, esta se parte e Maxêncio morre afogado.

Entrando vencedor em Roma (312), Constantino suspende imediatamente as perseguições, e pelo Edito de Milão (313) concede a todos liberdade de consciência, reconhecendo à Igreja o direito de existir.

Situação da Igreja

Decidido a implantar o Evangelho no Império, toma a Igreja sob sua proteção. Impõe a guarda do domingo, isenta o clero de encargos civis e militares (para que se entregue melhor ao ministério) , extingue a crucificação (em honra da cruz de Cristo) , faz grandes doações à Igreja, promove e ajuda a construção das grandes basílicas constantinianas (São Pedro, São Paulo, São João, Santa Cruz, São Lourenço, etc ), combate as heresias, faz convocar o Concílio de Nicéia contra o arianismo.

Impregna a legislação de espírito cristão. Leis novas protegem a infância (socorrendo os menores desvalidos e equiparando a morte dos filhos ao parricídio), a família (equipara a esposa ao marido, restaura a indissolubilidade), os pobres (diminuindo-lhes os impostos, amparando as viúvas, alimentando os indigentes e criando hospitais e asilos) e os escravos (proibindo o direito de morte dos senhores e a tortura).

Declina o paganismo

Os templos pagãos ou vão se esvaziando ou são mesmo destruídos. Chega-se a proibir aos funcionários imperiais participar dos sacrifícios públicos.

Os filhos de Constantino continuaram a luta contra o paganismo, embora cedendo às vezes a sua influência, ou prejudicando a Igreja pela proteção dispensada à heresia ariana.

Renunciando ao Cristianismo, Juliano, o Apóstata, procurou restaurar o paganismo. Favoreceu as heresias, perseguiu os Bispos católicos, cancelou todos os privilégios dos cristãos, negou-lhes o direito de ensinar, de exercer funções públicas e de defender-se em juízo. Mandou reconstruir o templo de Jerusalém, para desmentir o Evangelho, mas da terra saíam chamas que devoravam os operários. Morreu num combate contra os persas, diz uma tradição que atirando sangue contra o céu e exclamando: “Venceste, Galileu!” que assim, por desprezo, chamava a Cristo.

O Cristianismo, religião do Estado

Os imperadores seguintes procederam com mais moderação. Foi Graciano (375-383) que, sob a influência de Santo Ambrósio, retomou a ofensiva contra o culto pagão, dando primazia ao Cristianismo, que Teodósio, o Grande, morto em 395, havia de tornar oficialmente religião do Estado, completando a obra iniciada por Constantino.

Teodósio fazia as leis contra o paganismo, mas respeitava a consciência dos pagãos, cuja conversão deixava ao zelo dos pregadores ao Evangelho, a quem ele
favorecia com todos os meios.

Vitória

Como triunfara dos judeus, o Cristianismo vencera também a força.

Por dois séculos e meio sofreu o cárcere, o exílio, a espada, o fogo, o cavalete, as feras. E como tinha atingido todas as classes, os seus perseguidores não poupavam ninguém, patrícios e plebeus, filósofos e ignorantes, matronas e crianças, homens válidos e anciãos.

Talvez não exagerem os que avaliam em doze milhões o número dos mártires. Famílias inteiras, legiões (como a Legião Tebana, com seis mil soldados), povoações dizimadas, afogamentos coletivos, etc., dão-nos uma ideia da fúria dos martírios.

Outros combates travará a Igreja, mas da força estava vencedora, superando as possibilidades humanas e evidenciando sua origem divina. Mas os cristãos não fraquejavam. Discípulos de um Mestre Crucificado, lembravam-se da palavra divina: “Não temais os que matam o corpo, mas não podem matar a alma” e esperavam a promessa: “Aquele que me confessar diante dos homens eu o confessarei diante do meu Pai que está nos céus” (Mt. 10, 28.32).

Portavam-se em face dos mais terríveis suplícios como heróis, arrebatando os próprios algozes para a fé de Cristo.

Por isso disse Tertuliano que “o sangue dos mártires é semente de cristãos”.

O culto dos mártires, sobre cujos túmulos se celebrava a Missa, estimulava os fiéis a dar o testemunho (mártir em grego quer dizer testemunha) de sua vida por Cristo.

Publicado em Deixe um comentário

As perseguições romanas

Difusão do Cristianismo

Com espantosa rapidez difundiu-se o Cristianismo. Nos convertidos de Pentecostes havia judeus de todo o Império Romano, que levaram a Boa Nova para suas províncias. A perseguição de Jerusalém, dispersando os cristãos, facilitou a expansão do Evangelho, tão certo é que Deus tira o bem do mal.

As viagens de São Paulo levam o Evangelho a muitas cidades, algumas das quais já estavam sendo doutrinadas.

Em breve, o Evangelho tinha chegado às Gálias, à Bretanha, à Germânia, a toda a Itália atual.

No Egito, Alexandria era um centro de irradiação cristã, como Antioquia, na Síria. A Ásia menor estava coberta de Cristandades. Na África ocidental diz Tertuliano (segundo século) que a maior parte dos habitantes das cidades eram cristãos.

São Justino (segundo século) afirma: “Não há povo, grego ou bárbaro, no meio do qual não se ofereçam ações de graças ao Pai, em nome de Cristo crucificado”. Santo Inácio de Antioquia diz que a Igreja já se estendera “até as extremidades do mundo”.

O número de mártires dos três primeiros séculos mostra qual era a extensão do Cristianismo.

Causas da difusão

Mencionemos algumas :

  1. O Cristianismo dava resposta satisfatória ao problemas de Deus, da alma, da imortalidade, do castigo e da recompensa – que sempre atormentaram o espírito humano.
  2. Os povos que o Império Romano escravizara, despojando-os ainda de suas religiões, encontravam no Cristianismo a desejada esperança de uma vida melhor.
  3. A um mundo de escravos, de oprimidos, de céticos, o Evangelho trazia a liberdade, o conforto moral e a verdade.
  4. A vida exemplar dos cristãos, a caridade com que tratavam até aos desconhecidos, a fraternidade que mostravam para com os pobres, escravos, mulheres e enfermos (que o paganismo desprezava) , encantavam a todos, num pobre mundo em que o ódio eliminava facilmente o pai ou o irmão.
  5. A convicção com que falavam de de sua Religião, a coragem em face dos mais terríveis martírios e sobretudo os milagres estupendos que realizavam, faziam milhares de adeptos.
  6. O zelo transformava cada cristão num apóstolo. O mercador ambulante, nas suas viagens; o soldado, na sua tropa; o prisioneiro, nas regiões para onde levado; a mulher, no lar e na sociedade – eram verdadeiros missionários. Os escravos tiveram uma influência notável, pela intimidade nas famílias e na educação das crianças que lhes eram confiadas.
  7. Tudo era ainda facilitado pela língua grega, falada em quase todo o Império.
  8. Acima de tudo estava a força da verdade, poderosa por si para atrair os homens retos.

Estes vários elementos se juntaram para atestar o caráter divino do Cristianismo, cujo êxito era tão superior à natureza humana.

Obstáculos

Havia também dificuldades à difusão do Cristianismo.

  1. Suas exigências morais espantavam aos pagãos, acostumados a viver segundo as próprias paixões.
  2. Suas doutrinas eram totalmente contrárias à mentalidade pagã.
  3. O povo estava acostumado ao culto dos ídolos e custava-lhe abandoná-lo.
  4. O Cristianismo contrariava os interesses – dos sacerdotes pagãos (que perdiam seu prestígio) dos mercadores de ídolos (que perdiam o seu negócio) (cf. Atos 19, 25).
  5. O orgulho dos homens cultos não se queria dobrar aos mistérios da fé, principalmente quando ensinados por ignorantes, saídos dos execrados judeus.
  6. Prejudicavam imensamente a aceitação do Cristianismo as graves acusações que pesavam sobre os cristãos: a) inimigos do Império, por não seguirem a religião oficial e não prestarem culto divino ao imperador; b) inimigos do gênero humano, responsáveis por suas impiedades, pelos flagelos que os deuses desencadeavam sobre o Império (fome, peste, guerra); c) inimigos das leis, porque organizavam reuniões próprias, não participavam das solenidades idolátricas, etc.

Eram estas também em geral as causas das perseguições aos cristãos.

As dez perseguições

Não foi difícil a Nero atirar aos cristãos a culpa do incêndio de Roma (ano 64), dizem que provocado por ele próprio.

Começaram então as perseguições romanas que, embora mais numerosas, são chamadas dez, e duraram até o século IV. Os perseguidores davam à sua atuação
uma feição diferente:

Nero queria o número; Domiciano (81-96), preferindo a qualidade, martirizou, além de São João Evangelista, seu próprio primo Flávio Clemente e expatriou-lhe a esposa Domitila; Trajano (98-117) volta ao princípio de Nero de que “Christia­ nos esse non licet”; Marco Aurélio (161-180) juntou o número à qualidade: extinguia os intelectuais como inimigos de sua filosofia (São Justino, apologista, em 163 ) , os de alta sociedade pela influência que podiam exercer (Santa Cecília, de estirpe senatorial, em 177), e o povo cristão, considerando a peste e a fome que assolavam o Império castigo dos deuses aos crimes cristãos.

Desde Sétimo Severo (202-211) as perseguições se voltarão diretamente contra a Igreja como tal. Impressionado com o crescimento do Cristianismo, Sétimo Severo proíbe as conversões ao Cristianismo, sob pena de morte, sem qualquer outra acusação. Isto tornou a quinta perseguição mais terrível que às anteriores.

Uma boa trégua deu aos cristãos maiores oportunidades. Alexandre Severo (222-235) chegou a conceder-lhes em Roma um logradouro público para o culto divino, que saía assim das catacumbas.

Em seguida Maximino (235-238) derrubaria os templos que eles construíram, e procuraria destruir a pr6pria Igreja, orientando-se especialmente contra o clero.

Para restabelecer o prestígio do Império, Décio (249-2 51) decidiu suprimir o Cristianismo ameaçador. Seu fito era levar os cristãos à apostasia. A morte era apenas para os que não queriam renunciar a Cristo.

Infelizmente, a paz de quarenta anos (tirados apenas os três anos de Maximino) tinha enfraquecido a vida cristã A resistência espantou o imperador, mas as defecções raríssimas até então, foram bem numerosas. Os apóstatas eram escarnecidos com o nome de decaídos (lapsi) e excluídos da comunidade cristã.

Valeriano (253-260) organizou verdadeira caça ao clero: poupavam-se os que apostatavam; os outros eram executados sem julgamento, como os Papas Estêvão
e Sixto II e o célebre diácono Lourenço. Datam de então as galerias de despistamento das catacumbas, para dificultar as buscas. As atitudes dos mártires acenderam o ânimo dos cristãos. Os vultosos bens da Igreja, doados pelos fiéis nos tempos da paz, foram confiscados. Mas Galiano (2 60-269) restituiu templos e cemitérios, chegando até a considerar o Cristianismo uma religião lícita.

Depois de um decreto de Aureliano (275) contra os cristãos, que a morte mal lhe deu tempo de executar, só em 303 rebenta nova perseguição que será a mais tremenda, embora também a última. Diocleciano (283-305) ordenou a destruição dos livros sagrados, a cessação das reuniões e a morte a todos os cristãos que não abjurassem. Por todo o Império foi tal a devastação, que ele julgou ter exterminado os cristãos, e levantou monumentos com esta inscrição: Nomine christianorum deleto.

Mons. Álvaro Negromonte,
Vitória sobre a força, Livro História da Igreja

Publicado em Deixe um comentário

Estabelecimento da Igreja em Roma

São Pedro em Roma

Os judeus residentes em Roma, que foram batizados por Pedro no dia de Pentecostes, acolheram-no decerto com alegria, quando o Apóstolo, libertado pelo anjo da prisão de Herodes, foi fixar na Capital do Império a sede da Igreja (ano 42).

Instalado ali entre judeus, num dos bairros pobres que habitavam, tornou em breve a cristandade romana “conhecida em todo o mundo” (Rm 1, 8). Quando Cláudio expulsou de Roma os judeus, muitos Cristãos tiveram de abandonar a Cidade (ano 49). Em 50, encontramos Pedro em Jerusalém presidindo o Concílio que resolveu a entrada dos pagãos na Igreja sem qualquer dependência do judaísmo (Atos cap. 15).

Quando Nero relaxou a proibição de Cláudio, volta Pedro a Roma (56), embora lá não permaneça ininterruptamente. De 61 a 63 está São Paulo prisioneiro em Roma, animando os fiéis com sua palavra, e não se fala da presença de Pedro. Mas de lá o Chefe da Igreja escreve a sua primeira Epístola (vers. 5, 13), lá foi encarcerado na prisão Mamertina (Liturgia: 1º de agosto) e padeceu o martírio (ano de 67), crucificado de cabeça para baixo, a seu pedido, por não ser digno de ser tratado como o Mestre. Seu corpo foi sepultado na colina do Vaticano, onde Constantino nandou edificar a basílica de São Pedro, substituída pela atual no século XVI.

Verdade histórica:

Não sabemos quem primeiro pregou o Evangelho em Roma. Judeus de Roma, batizados no dia de Pentecostes? Soldados da corte itálica, de Cesaréia, a que pertencia Cornélio? Nos últimos anos do império de Cláudio, Suetônio nos diz que já existia o Cristianismo em Roma.

Não resta, porém, dúvida quanto à presença de São Pedro na capital do Império. Basta ver que a primeira negação apareceu no século XIV, feita por interesse sectário (Marsílio de Pádua, para servir a Luís da Baviera, que combatia ao Papa João XXII e nomeou contra ele um antipapa). Calvino esposou a negação, que os protestantes do século passado renovaram com ardor, por ocasião do Concílio do Vaticano. Hoje, depois que o notável sábio protestante Harnack reconheceu o fato, só o negam os ignorantes ou obcecados.

Toda a antiguidade cristã dá testemunho de Pedro em Roma. Clemente Romano (ano 96), escrevendo de Roma aos coríntios, fala de Pedro e Paulo que “foram entre nós de ótimo exemplo”. Santo Inácio de Antioquia, no princípio do século 11, escreve aos romanos: “Eu vos ordeno como Pedro e Paulo”. O historiador Eusébio, o “pai da história eclesiástica” (século IV), em sua História Eclesiástica cita Clemente de Alexandria e Pápias (século 11) que afirmam que São Pedro pregou em Roma. Santo Irineu diz que ele fundou a Igreja em Roma. E Tertuliano, que lá ele pregou e morreu.

Nas catacumbas há inscrições alusivas: os nomes de Pedro e Paulo são acompanhados de duas figuras. E vários outros testemunhos. São Jerônimo diz que Pedro regeu a Igreja de Roma durante vinte e cinco anos.

A presença de São Pedro em Roma é, pois, uma verdade histórica muito bem comprovada. São Jerônimo diz que Pedro regeu a Igreja de Roma durante vinte e cinco anos.

Mons. Álvaro Negromonte,
Vitória sobre a força, Livro História da Igreja