Roteiro de Adoração ao Santíssimo, por São Pedro Julião Eymard

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no google

I. Jesus No Santíssimo Sacramento

Perante quem estou eu?

1. ° – A santa Igreja responde-me: estais em Presença de Jesus Cristo, vosso Rei, vosso Salvador e vosso Deus.

Adora-O, ó minha alma, com a fé do cego de nascença, quando, reconhecendo seu benfeitor, prostrou-se diante de Jesus e O adorou tão humildemente.

Adora-O com a fé de Tomé, e dize com ele:


“Vós sois meu Senhor e meu Deus!”


Eu, porém, não vejo a Jesus como o discípulo do Cenáculo. É verdade, mas, diz o Salvador, “felizes daqueles que creem sem ver com os olhos”, sem tocar com as mãos!

A Igreja mostra-me meu Salvador e meu Deus velado sob a forma de uma Hóstia, como o precursor O mostrava sob a forma de um Homem simples, perdido no meio do povo, como Maria O mostrava aos Magos sob a forma de um Menino, de um Infante.

Adora-O, pois, ó minha alma, com a fé dos reis de Belém, e oferece-Lhe o incenso de tua adoração, como a teu Deus; a mirra de tua mortificação, como a teu Salvador; o ouro de teu amor e o tributo de tua dependência, como a teu Rei!

2. ° – Mas por que não se revela Jesus a mim em todo o Seu esplendor, por que não se mostra abertamente aos meus olhos?

Para provar a minha Fé, para torná-la humilde e dócil, submissa à autoridade da Santa Igreja, Sua esposa e minha mãe, que me fala em seu Nome.

Que necessidade tenho eu, aliás, de ouvir, de tocar, para crer na Presença Real de Jesus na Hóstia Santa? Será que Sua Palavra divina não me basta? Ninguém exige mais de outrem para crer nele. E pode Sua promessa iludir-me? Pode Sua Igreja mentir? Podem os santos que creem, adoram e amam a Jesus em seu divino Sacramento, estar todos no erro e na ilusão?

Ah! Fosse eu mais humilde, mais puro, mais fervoroso, e Jesus se manifestaria mais ainda a meu coração. Eu havia de sentir como João Batista a vizinhança desse fogo divino; havia de senti-lO em mim, como Maria, quando O trazia no seio. A luz da Fé penetraria minha alma como raios do sol a iluminar o cristal transparente!

Creio, ó meu Senhor e meu Deus, creio e adoro, com a Santa Igreja, Vosso Corpo, Vosso Sangue, Vossa Alma e Vossa Divindade substancial, real e verdadeiramente presentes na Hóstia Santa!

Creio, mas aumentai a minha Fé. Dai-me uma Fé simples, tal a da criança; viva, tal a chama de amor; forte, tal a dos Mártires; dedicada, tal a dos Apóstolos!

Para quem está Jesus no Santíssimo Sacramento?

1.° – Para mim! Porque me ama!

Seu amor O levou a entregar-Se por mim aos sofri­mentos e à morte da Cruz, e fê-lO também instituir esse memorial de Sua Paixão e Morte, pelo qual quer alimen­tar a minha alma.

2.° – É todo meu no divino Sacramento! Tenho-O todo inteiro, assim como está no Céu, com todas as ri­quezas de sua Glória, assim como estava na terra, com todas as virtudes de Sua Morte. Nada tenho, portanto, a invejar aos Apóstolos que viveram ao Seu lado, nem aos Santos que triunfam com Ele, senão o Seu amor.

3.° – Está no Santíssimo Sacramento só para mim. Recebo-O, adoro-O como se eu estivesse só no mundo. Pertence-me, como se não tivesse mais em quem pensar, não tivesse senão a mim para ouvir, para amar — ouso quase dizer, para servir!

Como poderei eu reconhecer tamanha Bondade, ta­manho Amor por uma criatura tão pobre, tão indigna! Mas, ó meu Jesus, Vosso Amor vos perturba e vos ilude! Esqueceis o que fui, o que ainda sou!

E pela Santa Igreja, pelos Santos e Anjos que Vos ofereço meus agradecimentos; é com Maria, minha Mãe, que quero celebrar Vossa Misericórdia e cantar o Magnificat, cântico sublime da gratidão!

Por que está Jesus no Santíssimo Sacramento?

1.º – Jesus esta no Santíssimo Sacramento para me curar. Estou com a febre do pecado, coberto de chagas, e minha alma está atacada da lepra – eis o meu médico!

Ele vem, esse bom samaritano, para me purificar, me fortificar, me restituir a saúde da alma.

Como me é necessário! Há tanto tempo que sofro! As chagas de meus pecados são tão antigas; o hábito do mal está tão inveterado em mim; as tentações de cada instante irritam acerbamente essas chagas, e mantêm em atividade esse foco de pecado!

Mas dizei, ó Jesus, uma palavra, uma só palavra, à minha alma, como à sogra de Pedro ardendo em febre, como ao centurião para o filho agonizante, como ao leproso da estrada, e minha alma ficará sarada!

2.° – Jesus está no Santíssimo Sacramento para ser meu Mestre, para educar-me, ornar-me com Sua Graça, dar-me seu Espírito de Verdade e de Amor, formar em mim Seus costumes e Suas virtudes, numa palavra, para fazer minha educação cristã. É o meu preceptor divino, meu modelo, minha graça.

Jesus está no Santíssimo Sacramento como meu Salvador. Chega-se a mim para comunicar-me as Graças da Redenção, aplicar-me os Seus Méritos, fazer correr o Seu Sangue divino sobre o meu corpo e minha alma.

Por isso permanece no altar do sacrifício como mi­nha Vítima de propiciação, implorando ao Pai graça e misericórdia para mim.

Mas, para que o Seu sacrifício possa produzir frutos abundantes, Jesus pede-me que eu o complete, que me una a Ele, que sofra em Seu lugar, já que, ressuscitado, não pode mais sofrer.

Dará, em troca, um preço e um valor infinitos a minhas penas, a meus sofrimentos; revesti-los-á dos pró­prios Méritos de Sua Pessoa divina, e fá-los-á seus. Será então a Redenção, a Paixão e a Morte do Calvário, re­novada e reproduzida em mim pela Eucaristia!

Que quer Jesus de mim em troca?

1.° – Quer que eu O ame como Ele me ama; que O ame pelo menos tanto quanto o filho ama aos pais; Ele, o melhor dos pais, a mais terna das mães.

Que O ame como o amigo régio, amigo fiel dedica­do, imortal, amigo dos dias bons e maus!

Nada de mais digno.

2.° – Quer que O sirva pelo menos tão bem quanto o mercenário serve ao patrão; quanto a honra e a ambição servem ao rei poderoso; quanto a piedade filial serve ao pai venerável, para que não seja dito que Jesus é menos bem servido que o homem!

Nada de mais justo.

3.° – Quer que Lhe preste a homenagem de minha vida, de minha liberdade, de meu ser integral, já que Jesus me consagra ao Sacramento e me dá Suas Graças, Sua liberdade, Sua Vida, tudo quanto tem, tudo quanto é!

Nada mais equitativo.

4.° – Quer Jesus, finalmente, reinar em mim – e nada mais ambiciona!

Eis aí Sua Realeza de Amor, o fim de Sua Encarna­ção, de Sua Paixão, de Sua Eucaristia!

Reinar em mim, reinar sobre mim, reinar em minha alma, em meu coração, sobre toda a minha vida, sobre meu amor, é o segundo céu de Sua glória!

Ah! Senhor Jesus, vinde e reinai! Seja meu corpo Vosso templo; meu coração, Vosso trono; minha vontade, Vossa serva dedicada. Seja eu todo Vosso para sempre, não vivendo senão de Vós e para Vós!

II. Jesus, Deus conosco

1.º – Adorai a Nosso Senhor Jesus Cristo instituindo e perpetuando o Seu Sacramento de Amor, para perma­necer sempre com o homem, seu amigo, e consolá-lo em seu exílio; para ser o Pão de Vida de sua viagem à eter­nidade; sua Vítima de salvação; seu Paraíso incipiente.

2.° – Agradecei-Lhe a Bondade infinita que O levou a amar de tal forma o homem; que Vos deu, a vós, o conhecimento de Seu Amor Eucarístico; que Vos chamou a Seu serviço Eucarístico, a mais sublime das vocações, apesar de vossa indignidade e de vossa miséria.

3.° – Fazei-Lhe reparação de amor por serdes tão tí­bio, tão indiferente, tão ingrato, tão culpado para com a divina Eucaristia; fazei reparação por aqueles a quem escandalizastes, pelos vossos parentes e amigos, por todos os pecadores.

4.° – Dai-vos, consagrai-vos ao Seu serviço Eucarís­tico, como servo dedicado ao serviço do Senhor, como soldado valoroso ao Rei, como adorador fiel a seu Deus.

III. Jesus, Deus de Bondade

1.º – Adorai a Nosso Senhor Jesus Cristo, que faz da Santíssima Eucaristia o Cenáculo permanente de Seu Amor, e convida todos os homens, e cada qual em particular, a vir haurir plenamente nesse tesouro universal e inesgo­tável de todas as Graças; a participar desse Banquete divino de Si mesmo; a receber a Comunhão Sacramental, pela qual dá ao homem tudo o que tem e tudo o que é, a fim de que o comungante, em troca, se dê todo a Ele e Lhe preste a homenagem de sua vida.

2.° – Agradecei o Amor imenso do Dom inefável da Eucaristia, que encerra a todos os dons; agradecei-Lhe todas as Graças recebidas pela Eucaristia.

3.° – Humilhai-vos à vista da pouca glória que ten­des rendido ao Seu Amor; chorai vossa ingratidão, implorai a Graça de Sua Misericórdia infinita.

4.° – Tomai-vos o discípulo e o apóstolo do Deus da Eucaristia, da ação de graças eucarística tão negligencia­da, tão malfeita, e que, no, entanto, é a primeira virtude do amor, a mais bela flor da Eucaristia.

IV. Jesus, Deus oculto

1.° – Adorai com Fé viva a Jesus velado por Amor ao homem no Santíssimo Sacramento.

Adorai Sua Bondade velando Sua Glória a fim de que o homem ouse aproximar-se de Seu Senhor e de Seu Deus e conversar familiarmente com Ele.

Adorai Sua Santidade velando, a fim de não desani­mar a fraqueza do homem, o brilho e a perfeição de Suas Virtudes, e lhas revelando aos poucos, e assim elevá-lo a Si.

Adorai Sua divina Misericórdia, que, para forçar o homem a recolher-se em Deus, vela Sua santa Humani­dade e a beleza de Sua Divindade, a fim de que o adorador vá a Jesus pela Fé pura, pelo puro amor, e assim O adore em espírito e em verdade.

2.° – Dai graças a Nosso Senhor por esse véu euca­rístico que vos mereceu tantos bens, e que vos tempera esse sol da eternidade.

3.° – Humilhai-vos perante o Vosso Deus, como que aniquilado sob as espécies sagradas; reparai todas as irreverências e sacrilégios de que Jesus velado é objeto por parte de tantos cristãos. Pedi perdão pela vossa falta de Fé, de recolhimento, de respeito, em Sua santa Presença.

4.° – Honrai com grande devoção externa e com grande amor o Deus oculto, desconhecido do mundo, mas visível à vossa Fé, caro ao vosso coração, e que constitui a felicidade de vossa vida.

V. Jesus Salvador

1.° – Adorai a Jesus Sacramentado como vosso Sal­vador.

Seu Amor fez da Eucaristia o calvário perpétuo da Redenção. Jesus aí está sobre o Altar em estado de Ví­tima, como na Cruz. E aí nosso mediador perpétuo junto ao Pai, mostrando-lhe Suas Chagas para merecer-nos graça. É nosso advogado poderoso, continuando sobre o altar Sua oração do Calvário. Faz correr sobre nós esse Sangue que nos remiu e que nos santifica a alma e o corpo. Adorai as cinco Chagas de Jesus, donde brotam, em abundância, Graças e Amor.

2.° – Oferecei em ação de graças a esse bom Salva­dor a homenagem de vosso corpo e de vossa alma; o amor e a gratidão de vossa santa Mãe a Igreja, a da Santíssima Virgem ao pé do Tabernáculo.

3.° – Fazei reparação de amor a Jesus, crucificado pelos Seus próprios filhos, até no Sacramento de Seu Amor e em Seu estado de Glória; fazei reparação a esse Coração que tanto amou os homens e que só recebe deles ingra­tidão e desprezo. Esses ingratos ferem-Lhe profundamente o Coração, tornando Sua Paixão estéril, e privando-se dos méritos de Seus sofrimentos e de Sua Morte.

4.° – Oferecei-vos como vítima de reparação a vosso amável Salvador, a fim de consolar-Lhe o Coração deso­lado e abandonado; oferecei-vos como mediador de mise­ricórdia entre Jesus e as almas culpadas e dizei-lhe:


Ó Jesus, Salvador de todos os homens, perdoai-lhes, que não sabem o que fazem. Estão entregues ao delírio das paixões e à loucura da razão. É Vosso inimigo, o demô­nio, que os impele à incredulidade e à impiedade, pelo ódio à Vossa glória; perdoai-lhes, como outrora perdoastes aos Vossos carrascos, a fim de que sejam a mais bela coroa de triunfo de Vossa Misericórdia.


VI. Jesus, o Emanuel

Consideração

O amor pede três coisas: sociedade de vida, comu­nhão de bens, união com a pessoa amada.

O amor de Jesus dá-nos estes três bens na sagrada Eucaristia.

1° – Sociedade de vida: Jesus escolheu Sua morada junto à do homem, até habitar frequentemente sob o mesmo teto. Que alegria para a amizade!

2.° – Comunhão de bens. Jesus, na divina Eucaristia, nos dá todos os Seus bens, bens de Sua Graça e bens de Sua Glória, todos os Seus Méritos, todo o poder de Sua media­ção junto ao Pai celeste. Quantas riquezas num só dom!

3.° – União. O amor pede união, fusão, transforma­ção de vida. Quer fazer um só de dois corações; é a união com o Corpo, com a Alma, com a Divindade de Jesus Cristo; é a extensão da Encarnação no comungante. Jesus disse:


“Aquele que come o meu Corpo e bebe o meu Sangue permanece em mim e eu nele”


Que troca ditosa! Que vida divina!

Afetos

1.° – Adorai a Jesus na Hóstia Santa pela homenagem soberana de vosso espírito, como sua Verdade suprema; de vosso coração, como seu Deus; de vossa vontade, como seu Senhor; de vosso corpo, como seu Salvador, de toda a vossa vida em holocausto de louvor e de amor.

2.° – Agradecei a esse bom Mestre ter-vos dado a sagrada Eucaristia, ter-vos chamado ao serviço de ado­ração, à Comunhão frequente, pois não há na terra maior bem, nem mais doce consolação.

3.° – Fazei reparação de amor por terdes correspon­dido tão mal às solicitações de Seu Amor; por terdes aproveitado tão pouco das Graças da santíssima Eucaristia; por terdes sido tão generoso em se tratando do amor das criaturas, e tão mesquinho e ingrato em se tratando do Amor Eucarístico de Jesus.

4.° – Consagrai-vos de novo a Seu real serviço, ao Seu soberano Amor, à Sua maior Glória.

Visitai amiúde esse bom Salvador, pelo menos em espírito de amor; dai-vos todo a Ele, como Ele se dá todo a vós; amai-vos nele, a fim de que Ele se ame em vós; oferecei-Lhe hoje o sacrifício mais penoso ao coração, e dareis prova da sinceridade de vosso amor.

Você pode contribuir com a comunidade

ASSOCIAÇÃO MARIA AUXÍLIO DOS CRISTÃOS

Agência 0001 – Operação 013
Conta Corrente 17769042-7
CNPJ 30.110.931/0001-03

Comunidade Ignis
Até a morte luta pela verdade
e o Senhor Deus combaterá por ti

Evangelize compartilhando!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter