Estabelecimento da Igreja em Roma

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

São Pedro em Roma

Os judeus residentes em Roma, que foram batizados por Pedro no dia de Pentecostes, acolheram-no decerto com alegria, quando o Apóstolo, libertado pelo anjo da prisão de Herodes, foi fixar na Capital do Império a sede da Igreja (ano 42).

Instalado ali entre judeus, num dos bairros pobres que habitavam, tornou em breve a cristandade romana “conhecida em todo o mundo” (Rm 1, 8). Quando Cláudio expulsou de Roma os judeus, muitos Cristãos tiveram de abandonar a Cidade (ano 49). Em 50, encontramos Pedro em Jerusalém presidindo o Concílio que resolveu a entrada dos pagãos na Igreja sem qualquer dependência do judaísmo (Atos cap. 15).

Quando Nero relaxou a proibição de Cláudio, volta Pedro a Roma (56), embora lá não permaneça ininterruptamente. De 61 a 63 está São Paulo prisioneiro em Roma, animando os fiéis com sua palavra, e não se fala da presença de Pedro. Mas de lá o Chefe da Igreja escreve a sua primeira Epístola (vers. 5, 13), lá foi encarcerado na prisão Mamertina (Liturgia: 1º de agosto) e padeceu o martírio (ano de 67), crucificado de cabeça para baixo, a seu pedido, por não ser digno de ser tratado como o Mestre. Seu corpo foi sepultado na colina do Vaticano, onde Constantino nandou edificar a basílica de São Pedro, substituída pela atual no século XVI.

Verdade histórica:

Não sabemos quem primeiro pregou o Evangelho em Roma. Judeus de Roma, batizados no dia de Pentecostes? Soldados da corte itálica, de Cesaréia, a que pertencia Cornélio? Nos últimos anos do império de Cláudio, Suetônio nos diz que já existia o Cristianismo em Roma.

Não resta, porém, dúvida quanto à presença de São Pedro na capital do Império. Basta ver que a primeira negação apareceu no século XIV, feita por interesse sectário (Marsílio de Pádua, para servir a Luís da Baviera, que combatia ao Papa João XXII e nomeou contra ele um antipapa). Calvino esposou a negação, que os protestantes do século passado renovaram com ardor, por ocasião do Concílio do Vaticano. Hoje, depois que o notável sábio protestante Harnack reconheceu o fato, só o negam os ignorantes ou obcecados.

Toda a antiguidade cristã dá testemunho de Pedro em Roma. Clemente Romano (ano 96), escrevendo de Roma aos coríntios, fala de Pedro e Paulo que “foram entre nós de ótimo exemplo”. Santo Inácio de Antioquia, no princípio do século 11, escreve aos romanos: “Eu vos ordeno como Pedro e Paulo”. O historiador Eusébio, o “pai da história eclesiástica” (século IV), em sua História Eclesiástica cita Clemente de Alexandria e Pápias (século 11) que afirmam que São Pedro pregou em Roma. Santo Irineu diz que ele fundou a Igreja em Roma. E Tertuliano, que lá ele pregou e morreu.

Nas catacumbas há inscrições alusivas: os nomes de Pedro e Paulo são acompanhados de duas figuras. E vários outros testemunhos. São Jerônimo diz que Pedro regeu a Igreja de Roma durante vinte e cinco anos.

A presença de São Pedro em Roma é, pois, uma verdade histórica muito bem comprovada. São Jerônimo diz que Pedro regeu a Igreja de Roma durante vinte e cinco anos.

Mons. Álvaro Negromonte,
Vitória sobre a força, Livro História da Igreja

Artigos relacionados

Você pode contribuir com a comunidade

ASSOCIAÇÃO MARIA AUXÍLIO DOS CRISTÃOS

Agência 0001 – Operação 013
Conta Corrente 17769042-7
CNPJ 30.110.931/0001-03

Até a morte luta pela verdade
e o Senhor Deus combaterá por ti

Evangelize compartilhando!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter